#ElasNoEstádio - Botafogo cria canal de comunicação para mulheres e estádio terá uma PM para receber denúncias - Botafogo Futebol SA

Notícias do Botafogo Orgulho de Ribeirão

janeiro 26 2020 0comment

#ElasNoEstádio – Botafogo cria canal de comunicação para mulheres e estádio terá uma PM para receber denúncias

Luiz Cosenzo
luizcosenzo@botafogofutebolsa.com.br

O Botafogo já definiu duas iniciativas que adotará para o movimento #ElasNoEstádio, idealizado pela FPF (Federação Paulista de Futebol) e os 16 clubes participantes do Paulistão 2020 para ampliar a presença de mulheres nos estádios.

A primeira medida foi a criação de um grupo no Facebook chamado “#ElasNoSantão #ElasNaArenaEurobike” com o objetivo de servir como um canal de comunicação para união das torcedoras e clube, criação de relacionamento para frequentar o estádio, além de sugestões, reclamações e denúncias.

A segunda é a presença de uma policial militar exclusivamente para atender às mulheres que comparecerem aos jogos no estádio Santa Cruz/Arena Eurobike.

A medida já começará neste domingo (26), quando o Botafogo enfrenta a Ponte Preta, pela segunda rodada do Campeonato Paulista.

A PM ficará na base da Polícia Militar, localizada na entrada da delegação de visitantes, e terá um atendimento especial às mulheres para que possam relatar assédio, ofensas e violência.

O Botafogo ainda estuda outras medidas para colocar em prática nos próximos jogos em casa do clube.

“Neste momento inicial do movimento, um dos principais objetivos do Botafogo será compreender e conhecer um pouco mais a sua torcedora, aquelas que já frequentam o estádio para, a partir de então, definir ações para melhorar o atendimento às frequentadoras assíduas e atrair cada vez mais novas mulheres ao Santa Cruz. Gostamos de pensar que uma das principais palavras para esse movimento deve ser: união”, disse Laura Louzada, gerente de marketing do Botafogo.

Anunciado oficialmente na última terça-feira (21), o movimento #ElasNoEstádio será o único tema de impacto social na competição em 2020.

A ideia para este ano foi concebida a partir de duas pesquisas: quantitativa, do Datafolha, que apontou o baixo número de mulheres (14%) nos jogos; e outra, qualitativa, do Ibope/Repucom.

Encomendada a partir do desejo da Comissão de Comunicação e Marketing da FPF e Clubes em ampliar a presença feminina no futebol, esta última pesquisa foi realizada em dezembro, ouvindo três perfis de mulheres: as que não frequentam estádio, as que vão eventualmente e as assíduas dos jogos.

Resultado do levantamento do Ibope/Repucom indicou que o conceito familiar ou social de que o estádio não é local adequado para mulheres é um dos principais fatores para afastar o público feminino do futebol. E que, neste contexto, as mulheres entrevistadas relatavam que lhes faltava companhia ou incentivo de seu círculo social para frequentar os jogos.

A entidade que comanda o futebol paulista tem um canal de comunicação exclusivo (elasnoestadio@fpf.org.br) para mulheres darem sugestões, criticarem ou até mesmo denunciarem crimes ou ofensas.