Botafogo passa a utilizar equipamento que minimiza risco de lesões - Botafogo Futebol SA

Notícias do Botafogo Orgulho de Ribeirão

julho 17 2020 0comment

Botafogo passa a utilizar equipamento que minimiza risco de lesões

Luiz Cosenzo
luizcosenzo@botafogofutebolsa.com.br

Os departamentos de fisioterapia e fisiologia do Botafogo terão à disposição um novo equipamento que servirá para minimizar o risco de lesões nos atletas em razão da sequência de jogos. Trata-se da câmera termográfica, a termografia, que consiste na avaliação de alterações térmicas no corpo dos jogadores através de imagens.

“É uma tecnologia extremamente diferenciada que ajuda mensurar índices de fadiga na coleta de dados para dosificar cargas de treino, além de ajudar na monitoração de evoluções de tratamento de uma forma mais objetiva e precisa. Esse equipamento está sendo muito utilizado nos grandes clubes do futebol brasileiro e, em outras modalidades importantes, e vai agregar muito para o nosso departamento de fisioterapia e de fisiologia”, disse Péricles Machado, coordenador do departamento de fisioterapia do Pantera.

“Com a Câmera Termográfica, conseguimos ter coleta diárias através de um processo não invasivo. Assim, ganhamos muita rapidez na tomada de decisão para que a gente possa interferir ou sugerir ao treinador algumas modificações ou até mesmo para melhorar o processo de recuperação dos atletas. Com esse calendário de jogos seguidos que teremos durante a Série B do Brasileiro, é de extrema importância o monitoramento para entender a resposta devido à carga que esses atletas serão submetidos a partir da quantidade de jogos e também fazer algum tipo de intervenção seja ela dentro do campo ou fora como estratégia de recuperação”, explicou Luiz Guilherme, fisiologista do Tricolor, citando que o clube já trabalhava com outros equipamentos de prevenção.

De acordo com Péricles Machado, o nível de fadiga do atleta é observado através das diferentes temperaturas que são demonstradas por cores.

“Existe uma interpretação técnica daquilo que a câmera nos oferece que são diferentes gradientes de temperatura. Precisamos interpretar as imagens através das cores. O nível de sensibilidade do equipamento faz toda a diferença porque vamos conseguir precisar alguns pontos isolados de alguma região que está mais sobrecarregada, como por exemplo o músculo posterior da coxa ou o adutor, muitas vezes antes mesmo dos atletas manifestarem os sintomas”, completou o fisioterapeuta.